Favelismo


Penso o FAVELISMO como a disseminação dos valores das favelas. Como um conceito em constante desenvolvimento, que surgiu de uma resposta improvisada que dei quando retornava de uma viagem do Estado de Minas Gerais, no dia 12 de abril de 2016, período em que o Brasil estava sob grande tensão política e ideológica, dividido entre esquerda e direita, a espera do voo eu observava uma acirrada discussão sobre o quadro político do país; em certo momento me perguntaram:

- E o sr, é de direita ou de esquerda? Respondi prontamente:

- Não sou esquerdista nem direitista, Sou FAVELISTA! Sem entender do que se tratava, rindo, voltaram com a pergunta:

- O que é isso? Afinal estamos falando de política e não de favela! Prossegui:

- Senhores, pode parecer que não há conexão entre as duas coisas, pensem; vivemos em um país de 206 milhões de pessoas, das quais mais da metade são negros como eu, que nunca gozaram das mesmas oportunidades dos não negros. No Brasil mais de 15 milhões de pessoas estão vivendo em favelas, comunidades carentes, aglomerados subnormais, Vilas e vielas. Temos outros tantos milhões em periferias, cuja maioria são pobres e também negros. Em comum: “as menores chances de oportunidades”.

É lindo ver os senhores discutirem essas ideologias importantes e importadas, porém, se o Brasil está afundando em tamanha depressão e a beira de um caos, por problemas éticos e morais, então comecem a perceber tais conexões. Amigos, os favelados e os negros raramente participam destas disputas, talvez por isso, a nossa dificuldade de uma união para então ter condições de tomar consciência da importância da auto- representação.

Este é um momento de reflexão! Talvez o ultimo da minha geração, chegada a hora de mudanças. Nós, que nunca participamos de um processo eleitoral como protagonistas, que nunca fomos votados, salvo raras exceções...

Em todos estes anos, nem a esquerda que muito se esforçou e contribuiu e muito menos a direita, foram capazes de responder às demandas e às necessidades dos negros e favelados do país

Saibam senhores, que essa crise moral que estamos vivendo no Brasil não é tradição nas favelas. Nesses territórios, os mais fortes ativos são: A honestidade, a solidariedade, a disciplina, a perseverança, o amor ao próximo e o compromisso com a verdade. Na favela o papo é reto, e quem desvia a conduta é punido.

Na verdade, eu não sei bem o que é ser de direita ou esquerda, por isso respondi o que veio em minha cabeça, foi por instinto. Mas, mesmo brincando, me senti desafiado a provar que estou certo. Resolvi então convidar alguns amigos para experimentarem um Brasil pelo prisma da favela, mostrando que o que tem faltado por aqui, existe em abundância nas quebradas país afora.

Após minha explanação, todos foram tomados pelo silêncio, pois todo aquele meu kaô parecia tão absurdo, e então lógico. Ao chegar em casa, inquieto como estou agora escrevendo esse texto, liguei para alguns amigos, narrei o fato e ali começava um pequeno movimento com grande potencial para crescer. Nascia o FAVELISMO.

Ele não tem que dar certo, precisa ser feito. Hoje somos muitos e muitos mais seremos, não tem mais como parar esse trem desgovernado, lotados de pretos, cheio de favelados dentro. Então, acordem … Já começou a nossa festa. Deu início a largada do Movimento Favelista. Um movimento de voluntários, onde negros, brancos, favelados e asfaltistas se misturam, e com seu potencial de construção, trabalham com um pensamento comum: garantir oportunidades e direitos para todos, de verdade.

O FAVELISMO, surge como movimento social de mobilização e também com sua vertente política. Um partido chamado: “Frente Favela Brasil “ ou FFavela Brasil. A sua principal proposta é trabalhar na inserção dos negros, dos moradores de favelas, e dos pobres dos subúrbios/periferias, no espaço de discussão e decisões políticas do país, bem como manter a constante vigília contra o preconceito racial e discriminação de qualquer origem. Para não haver dúvidas sobre minhas pretensões políticas, decidi não me filiar ao partido, se quer assinar a ata de sua fundação.

O MOVIMENTO FAVELISTA, é uma grande corrente puxada por aqueles que até aqui sofreram com as consequências das desigualdades sociais, mas que mesmo assim, sabem que têm a responsabilidade de colaborar para a construção de um lugar onde todos, de fato, sejam iguais em oportunidades, direitos e deveres.

O FAVELISMO, é protagonizado exclusivamente por voluntários. Sejam eles brancos, ricos, negros, pobres e favelados, mas o movimento não exclui os parceiros de todas as classes sociais que acreditam na ideia de que devemos viver numa sociedade economicamente e socialmente equilibrada. Ao contrário, todos esses devem se sentir convocados para experimentar esse novo jeito de fazer política, essa nova e talvez a última possibilidade de convivência harmoniosa e livre das tensões de classes.

Para nós, Ser Favelista não significa necessariamente viver em favelas, ser negro ou pobre. Favelismo é o ato de participar dessa grande família voluntária. É entender que só a cooperação é capaz de superar nossos problemas mais profundos. Favelismo é uma nova possibilidade vinda de um lugar jamais imaginado: a Favela. Quem é de favela entende como é viver no caos e superá-lo todos os dias.

As favelas e as periferias, são o coração do Brasil. Corações safenados, diariamente bombardeados, mas que usam toda sua resistência e potência para bombear o sangue que irriga esse país

O MOVIMENTO FAVELISTA, não deseja ver o surgimento de novas favelas, pelo contrário, entendemos que quanto mais favelas, mais desigual será o País. O Favelismo busca um projeto capaz de superar e imenso abismo que existe entre favela e asfalto. Habitação, política de segurança e transporte eficazes, que permitam oferecer conforto e qualidade de vida para todos os que moram nesses lugares. O Favelismo entende que um país com favelas não pode ser considerado um país verdadeiramente desenvolvido, mas sabe também, por mais contraditório que possa parecer, que nesses lugares está a essência da transformação que precisamos para o nosso país: a COOPERAÇÃO.

A cooperação e empatia, principais forças que sustentam a sobrevivência na favela, somadas a criação de uma força política vinda deste lugar, é a forma mais revolucionária de construção de uma nova história para o Brasil. Desse entendimento surge a “Frente Favela Brasil”, um sonho de construção coletiva, que busca através do empoderamento dos negros e favelados a criação de políticas públicas voltadas as demandas de quem move esse país. Acreditamos que com a presença dos nossos representantes nas mesas de decisões construiremos meios legítimos para diminuir as diferenças que atingem principalmente os mais pobres, mas que afeta o Brasil como um todo.

Sendo fiel aos princípios que sempre nos seguiram até aqui, cooperativismo, senso de pertencimento, transparência e coragem, convocamos, o povo das favelas, becos e vielas de todo o Brasil para fazermos juntos, a diferença na nossa sociedade. Já somos grande parte dos braços que movem a economia do nosso país, agora seremos força política de fato.

Essa ideia não me pertence, esse sonho não é só meu. Esse movimento não é dos negros, mas de outras centenas de sonhadores que compartilham das mesmas vontades. Fomos despertados para uma grande transformação, e essa força se multiplicará se todos os pretos se despirem do que nos trava e se vestirem do que nos move. O sonho de ser e viver num país verdadeiramente livre.